Portal dos Correios

Sobre o Espaço

O Espaço Cultural Correios Niterói funciona nas dependências do Palácio dos Correios, na Avenida Visconde do Rio Branco, 481, no Centro da cidade, em frente à estação das barcas

Mais sobre o espaço

O Palácio dos Correios de Niterói é resultado de vários fatores que impulsionaram a construção do prédio. O Decreto nº 7.653, de 11/11/1909, estabeleceu o novo Regulamento da organização, que tinha como uma das metas construir sedes novas dos Correios nas capitais dos Estados. 

Em Niterói a decisão pela construção de um novo prédio também foi influenciada pelo movimento de um grupo representativo da cidade que levou ao presidente da República, Hermes da Fonseca, um abaixo-assinado reivindicando que a cidade dispusesse de uma dependência com melhores condições para o funcionamento do correio. Até então o serviço era prestado num imóvel precário e pequeno, localizado ao lado da estação das barcas.

Na capital federal, Rio de Janeiro, após receber a representação niteroiense e avaliar o pedido, o presidente determinou que a União adquirisse um terreno nas imediações da estação das barcas e nele construísse um prédio próprio para ser correio. O terreno escolhido estava localizado do outro lado da via onde ficava o correio na época.

As plantas do prédio são datadas de 1910 e da autoria do arquiteto italiano Antônio Vannine. A obra foi realizada pela construtora Leopoldo Cunha e Cia. Em 14 de novembro de 1914 o prédio foi inaugurado. A imponência da construção, a altura do prédio comparada a dos imóveis do entorno e sua exuberância arquitetônica deu-lhe o título de Palácio dos Correios.

O Palácio sempre serviu para o funcionamento das repartições postais e telegráficas. Inclusive, a antiga sede da Diretoria Regional dos Correios do Estado do Rio de Janeiro. A partir de 2007, e por sete anos, o prédio ficou fechado para obras de reforma e restauro e a sua reabertura aconteceu em 21 de março de 2014, ano de comemoração do centenário do Palácio. No primeiro pavimento foi exibida a exposição “Aqui Mesmo – Niterói vista pelas lentes de Pedro Vasquez”, com 50 fotos de pontos conhecidos da cidade. O objetivo foi de apresentar ao público uma das atividades que seriam realizadas no prédio com a inauguração do Espaço Cultural.

Além da reforma completa da estrutura do prédio, houve o restauro de toda a fachada e de vários elementos dos ambientes internos, como portas, janelas, piso de madeira, escada central, corrimão etc. O investimento dos Correios foi à ordem de R$ 16 milhões.

Uma das salas, localizada no segundo pavimento, foi completamente restaurada. Nela o visitante pode apreciar as características originais do interior do prédio. Várias camadas de tinta foram retiradas até se chegar às cores e desenhos originais que ornamentam as partes inferior e superior das paredes e do teto. As portas de madeira são originais, bem como o piso de madeira Peroba.

Nessa sala histórica estão expostas duas plantas arquitetônicas, vários ladrilhos hidráulicos cujos modelos são encontrados nos pisos de circulação interna, alguns adornos da fachada e um conjunto de forma que produziram as escamas de cobre das cúpulas das torres do Palácio.

Espaço Cultural Correios

O Espaço Cultural foi criado no dia 14 de novembro de 2014, data do centenário do Palácio dos Correios. A inauguração foi marcada pela exposição “Djanira – cronista de ritos, pintora de costumes”, com a exibição de 120 obras da artista, pertencentes ao acervo do Museu Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro.

No primeiro pavimento do prédio o Espaço Cultural dispõe de duas salas de exposição e uma sala para oficinas. No segundo pavimento há mais quatro salas de exposição, a sala histórica e um auditório que possibilita a realização de eventos de música, humanidades, audiovisual e seminários.

Confira as plantas baixas do Espaço Cultural Correios de Niterói: Planta 01, Planta 02.

Programação: 

Exposições:

CARVÃO





    O Espaço Cultural Correios recebe novas exposições neste mês de agosto, para visitação com entrada gratuita, sempre de segunda a sábado, das 11h às 18h.
 Uma delas, com vernissage de inauguração no dia 10 de agosto, às 15h, é 'Carvão', do artista carioca Dudu Garcia.

 A mostra é ápice da criação do artista carioca Dudu Garcia, em uma carreira em que sempre buscou inspiração e ferramentas nos recursos e objetivos minerais, pintando e desenvolvendo trabalhos com cobre, zinco, ouro, rochas, etc.

 A exposição “Carvão” utiliza esta matéria-prima como elemento pictórico em duas salas expositivas no andar térreo do Espaço Cultural Correios Niterói.

 São quadros em trípticos e dípticos de grandes dimensões nas quais o carvão e a iluminação especial criam relevos e superfícies. Ao utilizar um dos mais poluentes combustíveis fósseis do mundo, a partir da Revolução Industrial, Dudu Garcia faz uma alusão à transformação da sociedade e à própria ilusão de desenvolvimento.

 Ele transforma o carvão, ferramenta essencial na arte de desenhar, em sujeito da obra. Na linguagem de Dudu Garcia, a apropriação do carvão carrega uma carga simbólica memorável da matéria em transformação.

 Na mostra, seus quadros evidenciam seu interesse pelo estancamento da matéria em transformação e a necessidade de organizar o caos.

 

SERVIÇO

Exposição: Carvão
Artista: Dudu Garcia
Abertura: 10 de agosto, às 15h
Local: Espaço Cultural Correios Niterói
Visitação: 12 de agosto a 19 de outubro de 2019
Horário: Segunda a sábado, das 11h às 18h (exceto feriados).

Endereço: Av. Visconde do Rio Branco, 481- Centro (em frente à estação das barcas) – Niterói
Entrada franca
Classificação etária: livre
Tel.: 21 2503-8550 / 8560
www.correios.com.br

VESTÍGIOS

Exposição de Marciah Rommes ocupa quatro salas do
Espaço Cultural Correios Niterói.

Mostra abre no dia 10 de agosto e vai até 19 de outubro, com curadoria de Lia do Rio.




No dia 10 de agosto, a artista visual Marciah Rommes inaugura quatro instalações no Espaço Cultural Correios Niterói. Com curadoria de Lia do Rio, a exposição “Vestígios” reúne mais de 3 mil peças formadas por uma massa criada a partir da mistura de material, tema de pesquisa da artista desde 2011. Em quatro grandes salas, objetos de 15 cm a 2 m, de formas e texturas inusitadas, sobem pelas paredes, avançam sobre o chão e distribuem-se em estelas*, como vestígios de uma linguagem ancestral, remetendo a outro tipo de raciocínio. A mostra fica até 19 de outubro, com entrada franca.

Sem priorizar ângulos, raios ou diagonais, as formas abstratas criadas pela artista são pautadas em vestígios de civilizações históricas e suas memórias, representadas por símbolos, códigos, materiais e objetos. “Desenvolvi um tipo de massa que se tornou matéria prima para a criação de peças de diferentes formas, que parecem surgir como registros de memórias e narrativas poéticas”, conta a artista. Em diálogo com o espaço dos Correios, a exposição reflete sobre memória, tempo e a forma como as mensagens, as narrativas e as histórias são distribuídas e vivenciadas culturalmente pelas sociedades.

Dispostas no espaço como uma escrita arquitetônica, os fragmentos de massa em tons de negro, dourado, acobreado ou estanho convidam a uma nova forma de leitura, aludindo a significados profundos. Segundo a curadora, os elementos parecem revelar codificações de memórias, de resíduos de conhecimento. “O trabalho de Marciah Rommes remete a questões do ser humano naquilo que o move dentro do seu psiquê e se encontra sedimentado pelo tempo vivido. A organização narrativa nos deixa uma vaga impressão de reminiscência. É como se pudéssemos entrar no espaço tempo de nossa mente”, conclui Lia do Rio.

MARCIAH ROMMES

Nascida no Rio de Janeiro, com cidadania brasileira e luxemburguesa, é graduada em Psicologia pela UERJ. Iniciou sua trajetória como artista visual a partir de estudos em pintura e fotografia. Frequentou cursos livres na Escola de Artes Visuais do Parque Lage. Em 2018, participou da Residência Artística em Cianotipia, no LabClube. Participa de grupos de pesquisa e desenvolvimento de projetos em artes visuais no Atelier Projeto Impresso, no Studio da Galeria OKO Arte Contemporânea e integra o grupo de discussão “Falando de Arte Contemporânea”. Desde fevereiro de 2019, cursa pós-graduação em História da Arte e da Cultura Visual pela Universidade Candido Mendes. Já participou de mais de 30 exposições, sendo essa, do Espaço Cultural Correios Niterói, a sua terceira individual.

https://www.marciahrommes.com


LIA DO RIO

Nasceu em São Paulo, vive e trabalha no Rio de Janeiro. É bacharel pela Escola Nacional de Belas Artes da UFRJ; tem pós-graduação em Arte e Filosofia, e pós-graduação em Filosofia Antiga, pela PUC-RIO. Ao longo de quatro décadas, participou de inúmeras exposições individuais, coletivas e palestras no Brasil e no exterior onde recebeu  prêmios e possui obras em acervos. Como professora de arte, lecionou em instituições como Parque Lage e Instituto Calouste Gulbenkian. Coordena exposições, workshops e palestras, e faz acompanhamento de diversos artistas. Seu livro Lia do Rio: Sobre a Natureza do Tempo foi editado, em 2015, pela editora Fase 10. 

 

SERVIÇO

Exposição: Vestígios
Artista: Marciah Rommes
Curadoria: Lia do Rio
Abertura: 10 de agosto, às 15h
Local: Espaço Cultural Correios Niterói
Visitação: 12 de agosto a 19 de outubro de 2019
Horário: Segunda a sábado, das 11h às 18h (exceto feriados)
Endereço: Av. Visconde do Rio Branco, 481- Centro (em frente à estação das barcas) – Niterói
Entrada franca
Classificação etária: livre
Tel.: 21 2503-8550 / 8560
www.correios.com.br


 

RELEASE
FRAGMENTAÇÃO DO SER




Isabella Marinho trabalha numa tênue linha entre o desenho e a pintura. Inicia intuitivamente sempre com fluidez de traços e liberdade de cores. Seu grafismo, nada convencional, estrutura a obra e imprime ritmo a figuras carregadas de interrogações. O uso do carvão, do papel jornal e de resíduos de trabalhos anteriores cria um campo testurado em que a colagem se faz presente.

 Universos fechados em si mesmos e, ao mesmo tempo, sinais lançados ao exterior levam ao reconhecimento de um modo de sentir. Dos grupamentos interpenetrados, emergem membros que se conectam num jogo associativo. Os personagens em processo afetivo surgem por uma liberação de energia e vitalidade encontrando maneiras de ocupar o espaço. Os elementos ativos dessa organização interrompem nosso sentido lógico.

 De significado forte, o resultado aparentemente fragmentado, dual, paradoxal resiste, insiste transcende e se configura num incansável questionamento do ser, num processo de vida e processo de arte. ”Passos, passos, são passos passados. Frente, frente, somos nós andando.”

                                                                                                                        

                                                                                                            Lia do Rio – 2019

 

CURRÍCULO:

Isabella Marinho iniciou sua pesquisa nas artes aos quatorze anos, na EAV, sendo aluna de mestres como Roberto Magalhães – desenho, Isabella professora francesa de modelo vivo; Dionísio dos Santos; Sued e Celeida Tostes em arte do fogo.

 Filha de artista, Isabella é autodidata, desenvolveu suas pesquisas seculares em bibliotecas públicas e particulares no Rio de Janeiro. De 1978 a 1992 dedicou-se exclusivamente à maternidade e estudos do corpo; teatro e expressão corporal.

Retornou à prática da pintura no ateliê à partir de 1992. Foi aluna de desenho de observação da Maria do Carmo Secco no Centro Cultural Laura Alvim. De 1999 a 2005 estudou com os mestres: Gianguido Bonffanti - imersão em modelo vivo, João Magalhães - Discussão de trabalho com, Anna Bella Geiger e Fernando Cochiaralli - Arte e Filosofia.

 De 2000 a 2002 frequentou o ateliê do professor Charles Watson, com quem estudou o processo criativo e vivenciou a imersão do workshop procedência e propriedade. De 2008 a 2014 pintou sob orientação de Luiz Ernesto Morais. De 2018 ao tempo presente trabalha com a orientação da Lia do Rio, com quem discute suas obras.

 Teve seu trabalho exposto na “Posição 2004” e “Cada um dois” no Parque Lage. Na Justiça Federal participou das exposições coletivas “Parede” e “6B Desenho no Brasil”. Em 2008 teve sua primeira exposição individual no espaço Tom Jobim – Universidade Estácio de Sá. Em 2011 (individual) e 2014 expôs na Galeria Oko, no Rio de Janeiro.

 

SERVIÇO:

 Título: “FRAGMENTAÇÃO DO SER”
Artista: Isabella Marinho
Curadoria: Lia do Rio
Abertura: 27 de julho de 2019, sábado, às 15h
Período expositivo: 27 de julho a 14 de setembro de 2019
Visitação: segunda a sábado, das 11h às 18h (exceto feriados)
Local: Espaço Cultural Correios Niterói
           Av. Visconde do Rio Branco, 481- Centro, Niterói - RJ

 
EXPOSIÇÕES

HUMANIDADES
RODRIGO PEDROSA



O Espaço Cultural Correios Niterói, apresenta a exposição “Humanidades”, que estará em cartaz a partir deste sábado (20) e ficará até o dia 31 de agosto.

 O Artista Plástico Rodrigo Pedrosa, nascido em Niterói, dá aulas de esculturas na cidade e no seu ateliê na Fábrica Bhering. Além do trabalho voluntário no Remanso Fraterno. 

 Já expôs suas obras na Itália, Nova Iorque, França, Áustria, México e em espaços como Museu do Ingá, em Niterói, e Casa-França Brasil, no Rio.  Uma de suas obras está na coleção particular da família Imperial de Abu Dhabi nos Emirados Árabes Unidos.

Rodrigo produz Pinturas, esculturas e instalações. Três linguagens artísticas em três atos que, em conjunto, reiteram uma só narrativa, a da história de uma humanidade desumanizada –ou, parodiando o psicanalista Sigmund Freud, retratam a persistência de um “mal-estar na civilização”, que se arrasta e se agrava através das disputas geopolíticas, culturais e econômicas em escala global. Assim se inicia a temática da exposição “Humanidades” de Rodrigo Pedrosa.

SERVIÇO:

Título: “Humanidades”
Artista: Rodrigo Pedrosa
Abertura: 20 de julho de 2019, sábado, às 15h
Período expositivo: 22 de julho a 31de agosto de 2019
Visitação: segunda a sábado, das 11h às 18h (exceto feriados)
Local: Espaço Cultural Correios Niterói  Av. Visconde do Rio Branco, 481- Centro, Niterói - RJ



 ASSIM COMO AQUELES QUE BUSCAM


A partir de colagens sobre lona impressa, artista reflete sobre a vida nos grandes centros urbanos, entre a opressão e a expectativa.

 Nadia Aguilera expõe a partir do dia 20 de julho, no Espaço Cultural Correios Niterói. Na mostra “Assim como aqueles que buscam” a artista reúne cerca de 25 colagens, com base em fotografia. Sobre suporte de lona impressa, as obras de Aguilera remetem à vida nas grandes cidades, com seu emaranhado de fios e arranha-céus, onde algo está prestes a ocorrer. A mostra fica em cartaz até 22 de setembro, com curadoria de Lia do Rio e entrada franca.

 A partir do recorte de fotografias pinçadas de livros, revistas ou jornais antigos, Nadia Aguilera cria inusitadas paisagens urbanas, montadas sob um frágil e estranho equilíbrio. Suas colagens recriam ambientes urbanos caóticos, numa atmosfera entre a opressão e a expectativa. Num jogo de ‘ressignificados’, o trabalho dela parte da desconstrução de algo que já se apresentava como certo, podendo se transformar em outra coisa agora e também no momento seguinte. “Por meio da colagem quero mostrar o que pode ocorrer no instante imediato. Meu enfoque é esse suspense anterior ao movimento seguinte”, conta a artista.

 Segundo Lia do Rio, Nadia Aguilera faz uso de uma técnica mista na qual o desenho, a pintura e a colagem remetem a um tempo em suspensão, como na vivência de um sonho ou recordação. “Objetos e imagens aparecem em meio a arquiteturas urbanas idealizadas, enquanto personagens, por não terem com o que se relacionar concretamente, passam a fazer parte de momentos nos quais algo parece estar sempre prestes a acontecer. A dissociação entre as situações criadas dá ensejo a expectativas não cumpridas”, diz a curadora.

 SERVIÇO:

Título: “Assim como aqueles que buscam”
Artista: Nadia Aguilera
Curadora: Lia do Rio
Abertura: 20 de julho de 2019, sábado, às 15h
Período expositivo: 22 de julho a 22 de setembro de 2019
Visitação: segunda a sábado, das 11h às 18h (exceto feriados)
Local: Espaço Cultural Correios Niterói -  Av. Visconde do Rio Branco, 481- Centro, Niteroi - RJ



Quando nascer (ou merrer) não é uma escolha

Laura Freitas

Individual de Laura Freitas no Espaço Cultural Correios Niterói convida a investigações em torno da estética do ovo.

O Espaço Cultural Correios Niterói recebe “Quando nascer (ou morrer) não é uma escolha”, terceira exposição individual de Laura Freitas. Na mostra, a artista explora as simbologias e apreensões imagéticas do ovo. Ao todo serão expostos trabalhos entre desenhos, esculturas e pequenas instalações nas quais desenhos em carvão sobre papéis rasgados e costurados com linha de algodão se unem a cascas de ovos quebradas e reconstruídas com atadura gessada e costura.

Há, ainda, a série recente “Tu és pó”, na qual a artista quebra o carvão negro e as cascas de ovos brancos até virarem pó.

Laura Freitas, que vive e trabalha em Niterói, possui longa trajetória em costura através da produção autoral de roupas femininas e, desde 2013, vem se dedicando integralmente à produção artística. Em seu trabalho, ela investiga as diversas possibilidades do tecer como um fazer que liga, dá forma e corpo; um fazer que sutura, prende e liberta. Em seu processo artístico, a linha e a agulha não se limitam ao tecido, desafiam matérias rígidas e/ou frágeis, percorrendo diferentes caminhos. O ovo tem sido uma matéria reincidente em seus trabalhos em propostas de reflexão sobre nascimento-vida-morte, sobre a vulnerabilidade, a fragilidade, erros e imperfeições, sobre proteção e correr riscos.

“Há um constante destruir e reconstruir, que melancolicamente persisto, como tentativa de preservação, no refazer das cascas através de gesso, ataduras, agulha e linha. Os desenhos aparecem como esboços das possibilidades de caminhos e aberturas”, diz a artista. De acordo com a curadora Fernanda Pequeno, “nos trabalhos de Laura, as vulnerabilidades do ovo são exploradas, assim como seu caráter de abrigo e proteção, mas também de ameaça. Afinal, viver é pisar em ovos o tempo inteiro”.

 

SERVIÇO

“Quando nascer (ou morrer) não é uma escolha” – Laura Freitas

Visitação: até 19 de outubro de 2019

De segunda a sábado, das 11h às 18h. Exceto feriados. A entrada é franca.

Espaço Cultural Correios Niterói - Av. Visconde do Rio Branco, 481, Centro – Niterói (em frente à estação das Barcas).

Contatos de Imprensa
Espaço Cultural Correios Niterói – Tel: [21 2503-8550] E-mail: [eccniteroi@gmail.com]

 

 

 

NATUREZA

Lia do Rio

A partir de fotografas, vídeos e instalação, artista discute os significados biológicos, sociais e psicológicos do ser humano.

Lia do Rio expõe a partir do dia 21 de setembro, no Espaço Cultural Correios Niterói. Na mostra “Natureza” a artista reúne fotografias e vídeos, além de uma instalação no centro da galeria. As obras de Lia do Rio remetem à vida nas grandes cidades, procurando resgatar o potencial dos materiais, das coisas, do ser humano, do que carregam em si. A mostra fica em cartaz até 23 de novembro, com entrada franca.

O projeto tem por fio condutor questões que abordam a natureza, o urbano, o tempo e a cultura. Busca ampliar o espaço artístico em torno da obra de Lia do Rio. A possibilidade de reflexão se dá por meio da conjunção dos vários registros somados a uma instalação central, e que apresentados conjuntamente, assumem a dupla caracterização de arte e documento, sem que com isso se tornem explicativos.

A possibilidade de reflexão se dá por meio da conjunção dos vários registros somados a uma instalação central, e que apresentados conjuntamente, assumem a dupla caracterização de arte e documento, sem que com isso se tornem explicativos.

“Ordenar o caos, no lugar em que for encontrado, com a forma que o local sugerir. Para ver o que não mais se via e pensar”, diz Lia, sobre sua linha de criação artística. 

Sobre a artista

Lia do Rio nasceu em São Paulo, vive e trabalha no Rio de Janeiro. Bacharel pela Escola Nacional de Belas Artes, UFRJ; Pós-Graduação em Arte e Filosofia e Pós-Graduação em Filosofia Antiga, PUC-RIO. Individuais e Coletivas no Brasil, EUA (Nova York e São Francisco), Japão (Tóquio e Kobe), Guatemala, Alemanha (Berlim), França (Paris e Saint Déséry), Áustria (Linz), Suécia (Estocolmo), Portugal (Alcobaça), China (Hangshow) e Inglaterra (Londres e Aylesbury).  Também tem participado de diversas palestras, debates e mesas-redondas, no Brasil e exterior.

SERVIÇO

“Natureza” – Lia do Rio

Vernissage: 21/09/2019 às 15h

Visitação: de 23/09/2018 a 23/11/2019

De segunda a sábado, das 11h às 18h. Exceto feriados. A entrada é franca.

Espaço Cultural Correios Niterói

Av. Visconde do Rio Branco, 481, Centro – Niterói (em frente à estação das Barcas).

Contatos de Imprensa
Espaço Cultural Correios Niterói
– Tel: [21 2503-8550] E-mail: [eccniteroil@gmail.com]

 

 

TEATRO

SONETOS DE FLORBELA ESPANCA

Toda a poesia de Florbela Espanca em uma narrativa emocionante de sua vida.

Florbela Espanca (1894-1930) foi uma poetisa portuguesa, autora de sonetos e contos importantes na literatura de Portugal. Foi uma das primeiras feministas de Portugal. Sua poesia é conhecida por um estilo peculiar, com forte teor emocional, onde o sofrimento, a solidão, e o desencanto estão aliados ao desejo de ser feliz.

O espetáculo “Sonetos de Florbela Espanca” apresenta sua trajetória, em que a poetisa isola-se e começa a relembrar momentos de sua vida. Em meio a devaneios e alucinações, relê seus sonetos que vão entremeando as cenas.

A peça foi apresentada na Biblioteca Municipal de Niterói Cora Coralina e na Casa de Cultura Casa Verde.

O projeto é consequência da oficina de teatro ministrado por Jamile Tadros na Biblioteca Municipal Cora Coralina. Ao fim das aulas, o texto foi criado por Jamile com a participação de seus alunos e a peça teatral encenada com grande sucesso.

 

SERVIÇO

“Sonetos de Florbela Espanca”

Apresentações: dias 14, 21 e 28 de setembro às 16h

Classificação indicativa: A Partir dos 14 anos.

Elenco: Mariah Castro, Camila Lopes, Bárbara Braga e Jamile Tadros

Produção Executiva: Mariah Castro

Pesquisa: Bruno Alves Fernandes (Historiador)

Direção Geral: Jamile Tadros

Ingressos: R$20,00 (Inteira) e R$10,00 (meia).

Espaço Cultural Correios Niterói

Av. Visconde do Rio Branco, 481, Centro – Niterói (em frente à estação das Barcas).

Contatos de Imprensa
Espaço Cultural Correios Niterói – Tel: [21 2503-8550] E-mail: [eccniteroil@gmail.com]





 

 

Espaço Cultural Niterói

Localização:
Espaço Cultural Correios
Av. Visconde do Rio Brando, 481 - Centro
24020-004 - Niterói - RJ
Telefone: 0XX 21 2622-3200
e-mail: rjeccniteroi@correios.com.br

Visitação:
De segunda-feira a sábado, das 11h às18h (exceto feriados).
Entrada franca.